16 de maio de 2008

Manutenção

Hora do almoço no trabalho pode ser deveras divertida. Alguns gastam seus míseros 60 minutos em filas de restaurantes por quilo, para pegar comida, sentar, comer rápido, falar do chefe (mal?) e pagar com ticket.

Como optante da sociedade alternativa eu sou uma das que levam comida, gasto 15 ou 20minutos para me alimentar e aproveito o resto para o ócio da mente vazia e a fumaça amiga.

Fumantes são uma espécie humana engraçada. Já andam pelos cantos com o semblante culpado. Como se a sociedade os julgassem por serem doentes e amaldiçoados. Encorporados por uma entidade de baixa vibração, estes seres se espalham pelos cantos do térreo de algum prédio comercial para abastecerem suas oferendas aos deuses do alcatrão. Tudo licitamente ilícito.

Em um destes cantos, dois 'colegas' de trabalho se aproximam com aquele ar de culpa e satisfação que todos os dependentes têm. Já chegam com o assunto pronto.

- Escondida aí Café?
- Pois é, hora da meditação.
- Sei como é, estava falando como é ruim o casamento, você é casada?
- Não, obrigada.
- Hehe, faz bem, sou casada há 15 anos, um tédio.
- Não é feliz?
- Nem um pouco.
- Então porque não separa?
- Preguiça, filhos, comodidade...

(pausa)

Os antigos leitores já perceberam que eu atraio confidências de gente desconhecida. E o pior, eu gosto de ouvi-las. Levo cada uma como experiência de vida. Ou como um post. Ou como mais um trecho do meu livro a ser publicado. Seja como for, adoro histórias alheias. Deve ser por isso que o universo me trás certas pérolas...

- Ah, quanta desculpa, vai ser infeliz só pra manter aparência?
- Sabe que que é? Meu marido não me come.
- ãh?
- É, desculpa a palavra, mas é isso mesmo. Eu compro lingerie nova, faço strip, chapinha, falo palavrão, mas ele nem tchun, entende? Acha bacana, vai tomar banho e dormir.
- Credo. Mas você já conversou com ele sobre isso?
- Já disse que assim ele vai ser corno.
- Éam, boa conversa. E ele?
- Acha bacana, vai tomar banho e dormir.
- Estranho. Ele tem outra será?
- Difícil, eu controlo a vida dele inteira. Nem o salário dele ele vê.
- Então acho bom você parar de ameaçar e perguntar logo o porquê da greve. Ele pode estar com algum problema físico. Ele pode estar impotente. Pode estar depressivo. Inseguro. Ou você está com cheiro ruim lá, um dia me disseram que isso faz um cara brochar sabia?
- Não Cafeína, ele é ruim de cama e eu já disse isso.
- Pô, aí você traumatizou o cara. Se ele é ruim, ele pode aprender se quiser.
- Ele não quer.
- Então vai ficar com um carro encrencado o tempo todo?
- Sabe o lado bom de ter um carro que sempre te deixa na mão?
- Hum?
- Ter um bom mecânico.
- Isso é verdade, paga seguro?
- Dos melhores.
- Então não reclama.

Estranhamente, nesta hora, a terceira pessoa que estava ao lado dela e só ria da conversa troca olhares risonhos, ambos com alianças reluzentes na mão esquerda. Um mecânico de terno e gravata. E acendemos mais uma fumaça...

Lápide do dia: "Morri como vivi, duro e frio"

4 comentários:

  1. Dona Café, concordo plenamente com o lance de ter que fumar pelos cantos é um saco. mas tudo bem é a vida escolhida.

    Mas agora me resta uma duvida, a mulher em questão que precisa de manutenção, era gostosona? Por que pode ser isso, si ela não for o cara não vai querer fazer nada mesmo. E será que ela controla tudo mesmo? Enquanto ela ta na manutenção ele pode estar fazendo serviço de mecanica em algum outro lugar.

    rs

    ResponderExcluir
  2. Putz, a mulher com o amante do lado, reclamando do marido broxa...

    Essa deve ir pro livro.

    ResponderExcluir
  3. Os encargos da monogamia...
    Fico pensando que essa história é igual o dilema de "Quem vem primeiro: o ovo ou a galinha?"
    Só fumando mesmo pra ouvir rs..

    ResponderExcluir
  4. Eita! É cada uma que você passa viu rsrs.

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores