24 de junho de 2008

Promoção - Eu amo o Badist

Tudo começou naquela noite de 13 de outubro de 1974.

Estava eu, de botas até o joelho, vestinho preto, sentada naqueles bancos em frente àquela praça. Uma garrafa de Merlot me fazia companhia ao som de fundo da um violeiro que tocava nas madrugadas por moedas. Pensava no que havia passado na vida, e quais rumos deveria tomar dali em diante. Sem pretensões de piedade, deixava algumas lágrimas me aconselharem.

Ao longe, algumas pessoas discutiam sobre outras culturas. Entretida, mal percebi quando alguém sentou ao meu lado. Afastou o Merlot e ofereceu seu ombro. Desde então, nunca mais conheci ombro algum. Era Badist.

Badist era um homem de poucas palavras. Palavras dispensáveis diante do seu olhar e do colo. O silêncio preenchia tudo que queria ouvir estes anos todos. Elegante e educado, desde então passou a ser a minha pessoa. O meu favorito. Escolhido. Um presente enviado. Não importaria mais sua alcunha, quiçá seu sobrenome ou ainda sua nacionalidade. Muito pelo contrário, somente seu olhar me bastaria.

A cada palavra, em cada gesto, tudo se resumia a Badist. E os dias viraram noites. E as noites viraram amor. Eu amo o Badist com toda a minha força que ele mesmo me deu. Amo Badist por ser a minha pessoa. Meu alter-ego, minha outra face, meu céu, minha calma. Minha única certeza de amor perfeito.

Lembro das tardes que dançávamos juntos, no meio da sala, com a mesa afastada, sem música. Lembro dos filhos que não tivemos, correndo no portão pedindo colo. Nunca me esqueço da surpresa do meu aniversário em que ele fez uma festa inteira, só para nós dois. Aquele bolo trufado prometido.

Hoje ele conduz uma porção de blogs com maestria. Um deles, o Muito Pelo Contrário, conta com uma série de entrevistas e um livro escrito por ele. O parceiro mais brilhante deste humilde blog esfumaçado.

Só não lembro da minha vida sem ele, deve ser porque não a vivi. E nesta noite, amor, quando chegares, feche o portão, tranque as janelas, traga nosso Merlot, apague a luz e saiba que te amo.

-------------------





Um comentário:

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores