14 de novembro de 2008

Humanos...essa espécie em extinção.


Digam que é a maré vermelha que me possue ou ainda o espírito hipócrita natalino mas hoje vim no trânsito pensando em como descrever o que vi. Não, não foi nenhum acidente trágico cotidiano muito menos alguma briga no caminho.

Ocorre que, eu, incrédula da raça humana hoje sorri com uma aura verde de esperança. Pode parecer contraditório frente a situação do rapaz em questão mas não é este o foco.

Estava parada no trânsito há minutos na região da rua Rego Freitas, centro de São Paulo. Para quem conhece sabe que não é um local deveras nobre. Para quem não conhece, defino em poucas palavras: 'centro de São Paulo - sinônimo de luxo e lixo'. Pois bem, voltando a minha janela automotiva, muita chuva, pessoas correndo para se abrigar, buzinas, trânsito, pedintes, andarilhos. E em meio ao caos tediosamente agitado vi um mendigo. Um senhor que talvez já não estivesse naquela vida por opção pessoal. Ele andava descalço com uma manta, com pouca pressa. Nos braços, um cãozinho assustado e maltrapilho, com corrente e coleira.

A cena do homem descalço, segurando o cão para não molhar as patas me deixou feliz. Contraditório? Eu disse que seria.

O fato é que ele estava protegendo e pensando em algo/alguém que não fosse ele. E isso com certeza fez minha tarde ficar mais leve.

Há 5 minutos deste caos, entramos em Higienópolis, bairro nobre e tradicional da cidade. Conhecido pela moradias caras e antigas, pelos judeus e estudantes do Mackenzie, universidade burguesa e igualmente tradicional. E aí veio o texto inteiro.

Um senhor com trajes finos, guarda-chuvas e botinas puxava seu cãozinho pela rua. Um belo cachorro de raça com pelos longos e brilhantes. Este senhor o puxava pela calçada, na coleira, na chuva. O cão 'chacoalhava' com a chuva. E o dono o puxava...

Realmente, o Ser Humano tem seus momentos, humanos, espécie em extinção...
-----------------------
Imagem

obs: Parceiros e amigos do feed, comentaristas fiéis e infiéis, amigos diários e esporádicos, nosso Bebendo está sendo observado por uma equipe bacana para projetos que podem nos ajudar muito no desenvolvimento deste espaço, com isso, venho aqui a agradecer o apoio de todos e que continuem nos enviando e-mails, mensagens e comentários para melhorar por aqui! Obrigada e se comportem na mesa, nada de deixar comida no prato ou colocar o cotovelo.
Tá tá, mentira, continuem assim! heheh


beijo no umbigo

5 comentários:

  1. So quem suja os propios pes sabe como isso incomoda.
    sei la mas foi a primeira coisa q pensei.
    e realmente é de se deixar feliz ver q há pessoas que não se põem acima de tudo.

    ResponderExcluir
  2. A nobreza não está nas roupas ou na aparência, mas nos atos.

    O mendigo foi muito mais nobre que o almofadinha.

    ResponderExcluir
  3. Isto não foram visões, foram sonhos...
    Significado: Vc pensa q quer um cara como o mendigo pra sua vida maaaas na verdade verdadeira mehhmu oC tá é a fim d ser puxada em pelo pela coleira na chuva no meio da rua
    ...
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. O comentário do Marko foi tudo... ahuahuhauahuhauahuahuahuahua!!!

    Cara, tô cansada de falar dessas coisas. Sério, pq o seromano no geral, muito me irrita.

    Tinha um trabalho acadêmico pra fazer. Fui numa ONG chamada ARCA, o presidente, Sr.Marco Ciampi, não quis nem ver a nossa cara, tipo... concordo que o cara é mto ocupado e pans, mas pra um presidente de uma ONG que preza pelo bem-estar animal, acho que não custaria nada pra ele nos dar dez minutos de atenção [isso que a gente ainda ia propagandear a ONG dele gratuitamente]

    Depois tentamos uma visita na UIPA. Fica lá na Marginal Tietê. Chegamos andando, a pé [óvio], eu e mais uma amiga da faculdade [isso que a gente tinha mandado email e a mulher disse pra gente aparecer lá no sábado em qquer horário]. TODAS, eu disse TODAS as pessoas que chegaram lá [em suas Hilux e afins] depois da gente foram atendidas. Ficamos aguardando por quase duas horas. Fomos embora.

    Chegamos na Paulista, num lugar chamado Centro de Adoção, lá no casarão da Paulista. O cara nos atendeu sem hora marcada, cedeu quase uma hora do seu tempo entre uma corrida e outra e ainda nos abrigou da chuva. Tanto a UIPA quanto a ARCA tem vários parceiros e patrocinadores e blá blé blí. Os caras do Centro de Adoção dependem do seu boca-a-boca.

    Sei lá... sabe, essa gente endinheirada REALMENTE me cansa.

    [falei demais e provável coisas nada a ver, mas é que eu lembrei desses casos aí...]

    ResponderExcluir
  5. Ana P.
    Qto a sua jornada "ONGênica" rs rs espero então q vc tenha aprendido a lição do dia sobre Malandragem, Pilantropia e Hipocrisia além da infelizmente minoritária auto-doação e sinceridade no caso do cara da Paulista.

    Qto ao meu "tudo" ...meniiiina, oC inda naum viu nda maaaas querendo... pisc pisc kkkkkk

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores