27 de abril de 2009

Analogia Doméstica


Quando querem tornar as coisas mais fáceis para nós, os leigos (leia-se os burros) compreendermos, os economistas costumam recorrer à analogia doméstica. Um país é como uma família, não pode gastar mais do que ganha, dizem. Um país é como uma família, precisa ser realista no seu orçamento e responsável nos seus gastos. Senão um país, como uma familia, vai à bancarrota.

Como todos nós (os burros) temos ou tivemos uma família, fica fácil entender o que os economistas querem dizer. Ainda mais se eles falarem devagar. A analogia é até algo enternecedora, pois lembra aquelas velhas aulas de aritmética em que os problemas sempre envolviam uma situação doméstica com a qual podíamos nos identificar. Você eu não sei, mas eu estudei aritmética acompanhando os repetidos dilemas de mães obrigadas a dividir quatro gomos de laranja entre cinco filhos, e até desafios maiores à sua engenhosidade e senso maternal de justiça.

É verdade que quando passávamos para problemas mais complicados, trocávamos o ambiente familiar pelo mundo lá fora, com suas contas difíceis e suas tragédias latentes. Quanto tempo levaria para que dois trens vindo de direções opostas nos mesmos trilhos, numa velocidade, se chocassem? Mas ainda eram narrativas, ainda tinham ação e personagens. Eu me distraía tanto pensando naquelas histórias, nas suas possíveis vitimas - filhos esquecidos pela mãe e traumatizados para toda a vida, os prováveis mortos e feridos no terrível acidente ferroviário - , que esquecia da aritmética.

Existe o mesmo perigo de ficarmos imaginando a família-modelo dos economistas e esquecermos sua lição. O pai (Egídio) é um exemplo de controle e sobriedade, como os economistas no poder gostam. No passado se excedeu, gastou mais do que podia e foi obrigado a fazer um empréstimo. Mas está pagando o seu empréstimo responsavelmente, como os economistas no poder recomendam. Mesmo porque precisa manter o crédito para conseguir empréstimos para pagar o seu empréstimo. Mas ja que estamos no terreno do reducionismo didático, me ocorre uma situação familiar supersimples: um dia o seu Egídio é obrigado a escolher entre alimentar os seus filhos e pagar a sua dívida. Qual o exemplo que ele deve dar para a nação? Está certo, melodrama não. Mas se vamos recorrer a exemplos simplistas, então sejamos simplistas até o fim. Pois a escolha diante da nação é exatamente a escolha do nosso pai de familia imaginário.

Salve Veríssimo.
O Mundo é Bárbaro (e o que nós temos a ver com isso) - Luis Fernando Veríssimo

5 comentários:

  1. O mundo é bárbaro e a vida é uma merda, então vamos beber.

    ResponderExcluir
  2. Dá-lhe Veríssimo.

    Como é difícil escapar do Condicionamento...
    Curioso, sempre q ouço ou leio a palavra Economista me vem a cabeça os cães d Pavlov ou os pombos d Skinner...

    ResponderExcluir
  3. Mas a vida é assim "diz estudo". =/

    ResponderExcluir
  4. Oi, sei que a frase é tua, isso que linkei pra cá. Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Então alguém mostra essa crônica para os nossos governantes, pq parece que eles têm se tornado especialistas em serem pais de família sádicos.

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores