6 de abril de 2009

Muita areia pro meu caminhão.


Uma das minhas promessas de 2009 era que todo mês eu me daria um presente. Seja uma bijouteria de 1,99 ou 4 livros de uma vez, como foi este mês de abril. Comprei 2 livros de Clarice, um de Veríssimo e um de Martha Medeiros.

Hoje, lendo Doidas e Santas, de Martha Medeiros (L&PM Editores) tive várias inspirações. No entanto, uma delas me fez levantar do meu quarto para postar. Trata-se da crônica "O Cartão".

Nela, conta-se uma situação em qua Martha teria recebido um cartão romântico daquele moço que nunca, nem em cinco gerações evolutivas, olharia para ela. Desconfiada, ligou para todas as amigas reclamando do trote, e sim, todas negaram. Ela passou tempos imaginando quem teria feito aquele trote de mau gosto com seu coraçãozinho derretido. E claro, tempos depois, o moço inalcançável a encontrou pela rua e perguntou se ela havia recebido o cartão. Constrangida por não ter acreditado nessa hipótese improvável de receber algo romantico daquele "sonho de consumo", ela simplesmente respondeu: "Que cartão?" E assim ele mandou um "Deixa pra lá" e nada aconteceu.

Lembrei exatamente que já senti isso diversas vezes. Para que alimentar ilusões com aquele rapaz? Muita areia para meu caminhãozinho bambo. Lembrei de um grande amor que tive aos 17 anos. Sim, ele era lindo. Mais do que lindo, ele era perfeito. Tudo que sonhei e imaginei que um ser humano masculino bípede poderia ser. Rafael era o meu inalcançável. Mas esperem aí... ele estava olhando pra mim? Não, mentira. Ele nunca olharia para mim, a não ser se estivesse vestida de vaquinha do Toddy num show promocional. Mas sim, ele estava. E ficou comigo. E chegou em casa dizendo para a mãe que tinha conhecido uma menina linda e inteligente. E eu achando que sabia fingir para ser boa o bastante para ele.

Toda vez que saíamos, eu tinha a nítida impressão que todas as meninas pensavam e diziam entre si: "O que aquele "deus" estava fazendo com aquela gordinha? Aí me sentia triste. Depois me sentia orgulhosa. Depois sentia pena dele por namorar comigo. Ele merecia alguém a altura. Fiquei paranóica. Se ele dissesse que iria na padaria, era por certo que iria me trair. Qualquer caixa de padaria era mais bonita e atraente que eu. Por certo, aquela moça da locadora combinava mais com ele. E minha auto estima foi-se esvaindo...

Cansado dessa doença, ele terminou comigo. Uma semana depois da nossa "primeira vez". Aliás, nossa não, da minha. Eu nem queria, mas ele era tão bonito, e as outras poderiam querer... E cedi. E me arrependi. E chorei. E ele se cansou. Estava certo, eu era insuportavelmente feia para ele. Concordei com a decisão. E ele me aconselhou um sanatório. Com aquele cabelo lindo e aquela voz mole. Ai ai...

O fato é que não existe inalcançáveis. Criamos personagens e fazemos deles a história que queremos. Rafael era chato pacas, falava errado, discordava com tudo e só dizia que mulher dele não iria trabalhar. Ninguém suportava ele, e ao contrário do que minha imaginação ouvia, os comentários das meninas era "como Cafeína aguenta esse mala?". Eu criei Rafael e fiz dele toneladas de areia. Eu olhei para o espelho, e fiz do meu caminhão, um fusca sem motor.

Hoje vejo as fotos daquela época e fixando nos meu olhos vejo a angustia que eu sentia. Eu não entendia porque o mundo todo não o amava como eu o amava. E não entendia porque o mundo inteiro não o achava tão perfeito quanto eu o achava. E passei meses tentando provar ao mundo todo que eu estava certa. Até que o mundo me provou que o erro estava no meu espelho e não no peso do baldinho de areia dele. Não existe alguém melhor ou pior para ninguém. Existe química, existe amor, existe sexo, existe amizade... o resto é perfumaria.

18 comentários:

  1. Um dos melhores textos que eu li aqui. Excelente.

    Azar do Rafael!

    bjo!

    ResponderExcluir
  2. Condordo em gênero, número e grau com o Phe!
    Muito bom... quer dizer, muito boa. O Rafael era um chato! :P


    beijo, café!

    ResponderExcluir
  3. É muito bom voltar a ler coisas mais pessoais por aqui.

    ResponderExcluir
  4. Uauauauauau
    Ela voltou ka corda toda hein
    Mucho bem D.Cafê

    ResponderExcluir
  5. Bebi e traguei!

    O texto é minha cara.

    Adorei Cafê!

    ResponderExcluir
  6. Lindo, lindo... Eu tive um cara assim na minha 1° facul, mas na verdade o cara era viado e precisava disfarçar com uma gordinha, que era eu...rsrsr

    ResponderExcluir
  7. Um dos melhores textos aqui do Bebendo, e com certeza, um dos melhores que eu ja li na vida !!

    Por textos como esse que eu continuo vindo aqui ao Bebendo !! cada dia melhor!!

    Ps: Cafê, viu como eu não tava errado quando falei de você no outro blog??? =P

    ResponderExcluir
  8. tchê, sou uma leitora do Blog da Martha Medeiros, diariamente, daí vi o teu post indicando o link pro texto... me identifiquei demais com as coisas que escreveste, pelo histórico da minha vida, sempre me achando pior que as pessoas, sendo que não é isso que acontece na verdade... se não nos amarmos em primeiro lugar, se não nos olharmos no espelho e sentirmos que vamos dominar o mundo assim que pisarmos na calçada da rua, quem pensará assim?
    Parabéns pelas palavras!!!
    E que nunca mais existam "rafaeis" em nossas vidas!!
    beijos!
    Suélem!

    ResponderExcluir
  9. Adorei o texto Cafeína. Você tem toda a razão no que diz. A gente constrói perfeições que não existem... "Existe química, existe amor, existe sexo, existe amizade... o resto é perfumaria."

    É verdade.

    Bj.
    Inté!

    ResponderExcluir
  10. Eu adoreeeeeiiiiii!!!

    Principalmente pq estou passando por uma mega crise existencial, onde eu acho que todos os homens são bons demais para mim. Na verdade, eu nem penso nesse sentido, eu penso no sentido de "eu sou muito ruim para todos eles".

    Bah... é tudo uma grande bobagem.

    Adorei o texto, Cafê! Tá de parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Muito foda!!!!
    adorei o texto e o blog está cada vez melhor!!!
    bjussssssssssssssssssss
    amo-te

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Olha, gostei muito de ter lido isso pelo fato de que por coincidência, eu precisava mais do que em qualquer outro dia formular uma opinião sobre um caso do passado que estava me atordoando pra caralio, e esse texto guiou minha situação para o melhor lado possível. Muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  14. Eu comecei dando uma olhadinha em um texto.. daí em outro.. viciei. Se um dia vc decidir compilar seus textos em um só livro.. eu compro! :) Parabéns, Cafeína!

    ResponderExcluir
  15. Adorei, quantas de nós não nos sentimos assim né? Mas poucas descrevem essa sensação tão bem quanto vc. Parabéns pelo blog! =***

    ResponderExcluir
  16. Caramba, que ótima crônica.
    Adorei o desfecho, cara. "O resto é perfumaria" acabou ficando marcante!

    ResponderExcluir
  17. Vou roubar essa idéia de me dar presente todo mes.

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores