27 de julho de 2009

Da série: Desmistificando Arquétipos - Sogras e seus filhinhos.


Na mitologia grega, o deus do amor "Eros" é baseado totalmente em atração física. Eros era filho de Afrodite, aloka (ou Vênus, na mitologia Romana), a deusa da beleza e do amor (dizem que ela nasceu do sangue que jorrou dos testículos cortados - por Cronos, pai de Zeus - do seu pai Urano... era invejada pelas deusas gordinhas no Olimpo e Zeus, um fanfarrão que adoro, condenou-a a casar com um monstrengo para amenizar as coisas por lá, ela merece outro capítulo, era a Nazaré Tedesco do Olimpo rs).

O amor como um sentimento espiritualizado que conhecemos nos filmes e nos mais românticos é regido pela Psiquê, uma humana de beleza incrível que despertou os nervos invejosos divinos de Afrodite, já que os homens deixavam de freqüentar seus templos para adorar uma simples mortal. Ela intimou o filho da mamãe a flechar a pobre linda mocinha condenando-a a se casar com um monstro! E ele o fez! Mas como bom nerd apaixonado, parece que errou o alvo e (dizem as más línguas) acertou ele próprio. Acabou se apaixonando de vez!

Psiquê, a bonitona de carne e osso, era filha do Rei que andava preocupado com o fato de já ter casado suas outras duas filhas
(muito mais barangas que ela) e ao consultar os Oráculos foi induzido por Eros a descobrir que o destino da filha bonitona encalhada era casar com mostrengo. Chateado pacas com isso, resolveu não contrariar e seguiu as orientações levando Psiquê para um palácio no alto de um morro e a deixou largada por lá onde havia um palácio. Ela vivia escondida e quando sentiu fome deu de cara com um banquete. À noite, uma voz suave a chamava e, levada por ela, conheceu as delícias do Amor, nas mãos do próprio deus do amor... (ui!)

Viveu numa
boa, acreditando estar casada com o mostrengo que sempre aparecia a ela com um capuz. Golpe de gênio de Eros. Se a sogra (Afrodite) desconfiasse que ele estava fazendo isso ia rolar mais nervos divinos da mamãe. E ele como bom nerd divino tremia de medo de mamãe.

No entanto, como toda boa mulher mortal feliz para sempre, Psiquê ficou entediada com a vida bacana e disse pro moço de capuz que sentia saudades das irmãs dela. Queria revê-las. Eros, escondido da mamãe e da bonitona, avisou como bom marido que não seria uma idéia
inteligente, já que desde que o mundo é mundo, a inveja feminina é o motivo das separações dos casais, e as irmãs iam ficar com dor de cotovelo da vida feliz para sempre da bonitona mas burrinha Psiquê. Ela teimou e como boa mulher o convenceu.

Não deu outra... as irmãs se morderam de inveja da vida boa e como boas cobras venenosas, sugeriram à burrinha que durante a noite, ela tirasse o capuz do marido pra descobrir quem é o mostrengo e claro, matá-lo, afinal ele é um monstrengo rico. Psiquê, a a
nta bonitona achou a idéia supimpa e foi lá fazer isso. Quando estava preparada, percebeu que o mostrengo não era monstrengo mas sim uma Brad Pitt com Jonnhy Deep, ficou nervosa, descoordenada e deixou pingar azeite quente no bófe. Eros, bonitão nerd da mamãe, acordou, viu a queimadura, ficou puto com a desconfiança da bonitona, afinal ele dava pra ela a vida perfeita e essa maldita era uma 'malagradecida'. A chaga da queimadura significou o fim da confiança, deixando Eros surtado fugindo e gritando repetidamente: O amor não sobrevive sem confiança! Psiquê fica sozinha, e desesperada com seu erro, no imenso palácio... ai ai, mulheres.

(imagine quando a sogra souber disso... imaginou? Então vamos ver.)

Psiquê vaga pelo mundo, desesperada (aloka), até que resolve consultar-se num templo de Vênus. O que ratifica sua fama de burra, afinal Vênus nada mais era do que sua EX SOGRA. E se sogra já é complicado, pense numa EX. Afrodite que era deusa e tal, claro, já sabia disso tudo porque era poderosa, certo? Er
rado! O filhinho da mamãe Eros voltou pra casa chorando e pedindo colo contou a história. (zzZzzzZ)

E lá estava Psiquê na cartomante, digo no templo de Vênus, como toda mulher desesperada e ouve a vidente, digo, Afrodite impor a mortal bonitona uma série de tarefas para reconquistar Eros, esperando que ela ficasse ocupada pela vida toda e não enchesse mais o saco, ou que tanto se desgastasse que perdesse a beleza e claro, Eros não curte barangas... São conhecidos como "Os Quatro Trabalhos de Psiquê".

Assim, dep
ois de milhares de trabalhos, sacrifícios e blablablá (Mamãe Afrodite piorava a dificuldade a cada trabalho, claro), no último a sogra se deu mal (aí vem a parte dos filmes românticos) e Psiquê que era burrinha mas não poderia perder a chance de um marido rico e bonito (um deus grego ué) quase morreu mas conseguiu alcançar seus objetivos, deixando Vênus chateada e dando coragem para Eros (que passou esse tempo todo tomando chazinho em casa por causa da queimadura e quando viu que a bonitona ia morrer mesmo decidiu rapidamente, ou seja, depois de ANOS, salva-la) que vai até Zeus e pede que o case com Psiquê. Zeus concede esse pedido e posteriormente Psiquê é tornada imortal (porque já percebemos que Zeus é fanfarrão pacas e adora ferrar Nazaré Tedesco do Olimpo rs adoro). É união do amor e da alma, pois "psiquê" significa alma.

Aliás, Zeus era um cara bacana pacas, daqueles exemplos que teve uma infância féladaputa, que pai comia os irmãos e tal, mas não se abalou e tomou o reinado. (Michael Jackson feelings). Ele era a prova viva (deus é vivo?) que o Destino tarda mas não falha. Zeus era gente que faz. Não pesquisem não, depois conto dele...

Moral da história? Comentem aí... rs


Dica de video: Bethânia e o poema de Fernando Pessoa "Eros e Psiquê" - Legendado e no Louvre

E seguindo a série: Sogras e filhinhos da mamãe, próximo será Ganesha.

6 comentários:

  1. Tô achando que o bebendo tá ficando cada vez mais 'uadarreu'.

    ResponderExcluir
  2. Meu... AHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA!!!

    Conta a história de Zeus, conta, conta!

    Digo: ver EROS RAMAZZOTTI matou, sério! Achei que ninguém nesse mundo nunca mais lembraria ou usaria qquer foto dele com qualquer outra coisa!

    Meu, por isso que eu te adoro e um dia quero escrever como você, HAUHAUHAUHAUHUAHUAHUA!

    ResponderExcluir
  3. Ah...
    Tá...
    Ago___ra tá explicado,
    afinal...
    se a (ir)responsável pelo amor romântico, aquele do "sentimento espiritualizado" (um baldinho pro vômito por favor rs) escolheu o cara: rico, bonito, joiado e deus; estando a ponto d matá-lo seguindo conselho muuuuy amigo por pensar se tratar d um pobre, feio e esfarrapado...

    Aliás c/uma mãe como Afrodite não sei como não rolou incesto hein Kkkkk Coisa aliás mto comum na parada mitológica

    ResponderExcluir
  4. Psiquê era "ALOKA"? Tá explicado...

    ResponderExcluir
  5. Ahahahahahaha

    Putz, Psiquê despencou no meu conceito.

    Um prazer te ler. =)

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Moral da historia: não existe ex-sogra.

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores