14 de março de 2010

O amor não acaba.

Crônica de Marcelo Rubens Paiva (indicação da AnaP.)

O amor acaba?

O cara disse. Numa esquina, num domingo, depois do teatro e do silêncio, na insônia, nas sorveterias, como se lhe faltasse energia. Ele não volta? Não deixa rastro ou renasce? Na esquina em que se beijaram uma vez, lá está, na sombra apagada pela luz, na poeira suspensa, na revolta da memória inconformada. Na solidão, lá vem ele, volta, com lamento, um quase desespero, e penso nos planos perdidos, que vida sem sentido… Na insônia, o amor cai como uma tonelada de lápide, e se eu tivesse feito diferente, e se eu tivesse sido paciente, e se eu tivesse insistido, suportado, indicado, transformado, reagido, escutado, abraçado? Na sorveteria, ele volta, o amor, em lembranças. Porque aquele sabor era o preferido dela, aquela cobertura era a preferida dela, aquela sorveteria era a preferida dela, aquela esquina, aquele bairro, aquele clima, aquela lua, aquele mês, aquela temperatura, aquela raça de cachorro, aquele programa de fim de tarde e aquele horário sem planos… No elevador, quantas saudades daqueles segundos em silêncio, presos na caixa blindada, vigiados por câmeras camufladas, loucos para se agarrarem, rirem, apertarem todos os botões, tirarem a roupa, escreverem ao lado do Atlasado: “Eu te amo”. Saudades é amor. Não se tem saudades do que não se amou. O amor não acaba, porque tenho saudades, me lembro dela, me preocupo com ela, torço por ela, e se sonho com ela, meu dia está feito. O amor não pode acabar, porque sem ela ou sem a esperança de revê-la, até a chance de tê-la de volta, não vejo a paz. Ela é uma trégua na minha guerra pessoal contra a minha paixão por ela. Amá-la me faz bem. Mesmo que ela não me ame, amo amá-la. Continuei amando desde o dia em que terminou. Passei meses amando como se não tivesse acabado. Ficaria anos amando mesmo se não tivesse voltado. O amor não acaba, muda. O amor não será, é. O amor está. Foi. Nas tantas músicas que ouvimos, que dançamos colados, trilhas das noites frias em que você sentava em mim nua, enquanto os meus braços imobilizavam os seus. Amor. O não-amor é o vazio. O antiamor também é amor. Eu te amava quando você respirava no meu ouvido. Lembra do meu dedo dentro de você? Amo-te, amo-te, amo-te. Instante secreto, sua boca incha, seus olhos apertam, suas unhas me arranham e você diz: Eu te amo! O amor acabou quando você se foi? Você sentiu saudades das minhas paredes, das cores das minhas camisas, da umidade da minha boca, do cheirinho do meu travesseiro, da minha torrada com mel, das noites pelados assistindo à tevê, dos vinhos entornados no lençol, do café da manhã com jornal, você sentiu falta de atravessar a avenida comigo de mãos dadas, de correr da chuva, de eu te indicar um livro, do cinema gelado em que vimos o filme sem fim, torcendo para acabar logo e ficarmos a sós, você sentiu falta da minha risada, inconveniência, de eu ser seu amante, noivo, amigo e marido, dos meus olhos te espiando, dos meus dentes mordendo e mastigando, ficou tanto tempo longe e pensou em nós especialmente bêbada ou louca, queria me ligar, me escrever, meu cheiro aparecia de repente, meu vulto estava sempre ali, acaba? Diz que acaba. Como acaba? Não acaba. Diz, não acaba. Repete. Falei? Não acaba. Pode virar amor não correspondido. Pode ser amor com ódio, paixão com amor. Tem o amor e o nada. Ah, mais uma coisa. Antes que eu me esqueça. O amor não acaba. Vira. Se acabar, não era amor.

8 comentários:

  1. O amor não acaba.. e as lembranças torturam....

    (Borboleta - Diretamente da Terra do Nunca)

    ResponderExcluir
  2. E eu concordo plenamente... acho que até já escrevi algo parecido esses dias, mas não tão bonito assim, claro!

    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  3. Eu às vezes fico me perguntando, porra, pq gosto tanto do Marcelo Rubens Paiva, ele num me parece um escritor assim, esplêndido.

    Daí ele me lança essas, eu leio num desses milhares de sábados de solidão, e então...

    Porra. Não acaba nunca.

    ResponderExcluir
  4. Ou, como já dizia Lavoisier
    "nda se perde, tdo se transforma"...

    ResponderExcluir
  5. Eh... se não deu saudade, é pq era algo banal simplesmente...

    ResponderExcluir
  6. nossa..é mta verdade num texto só..perfeito!!

    ResponderExcluir
  7. Eu acho que acaba sim. Afinal, quando ele vai aos poucos se tornando outra coisa, uma hora ele deixa de ser amor. E deixando de ser, acaba, oras.

    ResponderExcluir
  8. O amor não acaba...ele pode até ficar acanhado em nosso íntimo em função das dores sofridas, mas mora ali, em cada gesto ou lembrança de saudade. Podemos deixá-lo ali adormecido para que não nos torture a alma, entretanto, ele firma residência e insiste em gritar seus direitos de querer felicidade, de querer a presença do outro. Pode até ser que surjam outros amores, eu não sei... o meu mora aqui comigo, na minha mente apaixonadamente insana...
    Se alguém tiver a receita para acabar com um sentimento tão profundo...me envie...ficarei grata!

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores