1 de dezembro de 2010

Viver por dois, pagar por um.



Cheguei até aquela padaria com a unica vontade de sentar e conversar. Um suco, um café, sei lá, talvez um lanche, um doce depois, não importava. Queria mesmo é esquecer o mundo lá na calçada e sentar ao seu lado para falar sobre aquilo que me dava tanta aflição. E você sabe, sou melhor escrita do que falada. Verdade, não sou boa pra explicar em voz alta. Não sei, fico gaguejando, escolho palavras estranhas, monto as frases sem ponto final e quando vou ver não expliquei nada do que realmente eu queria. Acontece isso comigo sempre, com todo mundo que me ouve. Tinha parente que dizia que eu falava com ar de arrogância toda hora. Diz que está na minha cara isso. E olha que era coisa simples como "e aí?". Tentei exercitar isso mas com um espelho na frente e um texto lido na minha mente. Tento fazer isso hoje. Escrevo mentalmente e quando abro a boca é como se estivesse lendo. Isso pra ver se consigo me explicar melhor. Claro, não funciona bem, eu sei disso. Escolho muito mais as palavras para dizer do que pra escrever. 

Pois bem, estava alí, sentada, pra falar. Sem texto pré-escrito me apoiando. Dei um primeiro gole e sorri. Você do meu lado sempre me deixa assim, meio sem saber com que mão eu seguro a xícara, meio com medo de derrubar um copo. E feliz pela sua companhia, pelas piadinhas com o avental da atendente que parecia um duende de Natal. A gente riu com isso, pedimos um lanche (com que mão eu seguro o lanche?) e falamos da importância desta companhia. De quanto mundo ainda não dividimos e de quantos lugares ainda não conhecemos. Você apertou minha mão (aquela que não segurava o copo nem o lanche) e disse que tudo ficaria bem. Estávamos ali e nada poderia ser melhor que isso. Nem a sobremesa, apesar de parecer quase tão boa quanto. Rimos de novo. O 'estado de graça' faz a gente rir de qualquer coisa, não é mesmo? Patéticos e aliviados. Levantamos, passamos pelo caixa, pagamos um café, um lanche e um doce. 

Sair sem você é assim, viver por dois, pagar por um. Porque você está comigo o tempo todo. Não não, ainda não é esquizofrenia. São só saudades...

7 comentários:

  1. Adorei o texto, muito bacana! Estou enganado ou sinto cheio de paixão no ar? Se for, é tão bommmm... também estou nesse mesmo estado de graça, aproveite! :)

    ResponderExcluir
  2. Cafeína sua romântica!( com voz de radialista )kkkkk! Ficou bonito o texto, mas não sei porque me passou uma idéia de tristeza.

    ResponderExcluir
  3. Paixão, amor, whatever... esse sentimento de viver por dois, pagar por um, faz com que tudo pareça muito claro na nossa cabeça, e quando colocamos no papel tudo parece siiiiiiimples, simples.

    Aí a gente abre a boca e só consegue rir ou falar merda.

    Mas você... ai, ai, ai, apaixonadinha é linda!

    :)

    ResponderExcluir
  4. ai gente... é só um texto fofuxo, que coisa, rsrs

    ResponderExcluir
  5. Então você é dessas que se apaixona e fica fofuxa?

    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

    http://www.youtube.com/watch?v=QO8F49RTwic

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores