13 de fevereiro de 2011

A Mulher que não prestava





(...) De verdade, acho que todo mundo tem razão: eu realmente não sirvo muito pra coisa nenhuma. Não sei lidar com a cartilha corporativa porque só consigo dar importância para mim mesma; tento me distanciar da família o tempo todo por puro medo de não sobreviver sem ela; em viagens sou muito fresca, nojenta, zero-aventureira e cheia de medos; situações tensas me dão ataques de risos e até pra fazer sexo sou complicada...Minha mente não pára um segundo de martelar. (...) Sou perdida para amar como todo mundo, mas não disfarço como a maioria. E a maioria vê em mim seus próprios defeitos e os aponta em mim, porque é mais fácil atacar o que está fora. A verdade é que ninguém, no fundo, presta, mas só quem é realmente idiota para assumir é que aparece e vira referência.


(...) Eu perdi o deslumbramento com o amor, com o trabalho e com a beleza. Eu descobri que amor entedia, emprego não é diversão e belezas são relativas. O problema é que não soube substituir o meu deslumbre por acomodação, eu não sei me conformar com a chatice do mundo.  (...) Eu sei, eu sei, o mundo tá cheio de gente alagada, sofrida e morrendo. Tá cheio de guerras, explosões, corrupções e doenças. E eu sou fútil com a minha tristeza sem desgraças. Mas não seria ainda mais fútil e desgraçado eu ser feliz nesse mundo?

(...) Sei lá, nada contra tá? De repente você gosta de mim e se encaixa num desses perfis...Não fica com raiva de mim não, eu sofro sendo assim, eu sofro porque, quando você acha mais da metade do mundo babaca, você passa muito tempo sozinho.


Obs: Só transcrevi estes trechos do livro para não cair em tentação para plagiar e postar igual. Porque é isso. É assim, meio que por aí. 

8 comentários:

  1. ok, fiquei com uma vontade incontrolável de ler esse livro...

    ResponderExcluir
  2. Não me identifico com ela, mas me fascina sua maneira de escrever coisas tão íntimas de forma absolutamente natural e desprendida.

    ResponderExcluir
  3. Ela tem coragem de dizer o Q muitos não tem. Adoro essa forma dela ver e se expressar.

    ResponderExcluir

Senta aí, aceita um café e comenta o que achou. A política dos comentários é simples: Todos aceitos salvo caso fortuito ou força maior, isto é, minha vontade. Caso prefira, temos também nosso link para CONTATO lá em cima.
;-)

Seguidores